Achadouros da Infância

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Achadouros da Infância

Achadouros da Infância é um conjunto de interpretações sobre a memória na construção semântica do passado. A obra ilustra a complexidade do mundo infantil, como a construção e definição de aspectos pessoal, social, cultural e dimensões das ações realizadas com o corpo, através da brincadeira e do reflexo na vida adulta. É também um olhar lúdico para a infância e o brincar, como o poeta Manoel de Barros escreveu: "Sou hoje um caçador de achadouros da infância. Vou meio dementado e enxada às costas cavar no meu quintal vestígios dos meninos que fomos (...).''

O título da série é inspirado em versos da obra Memórias Inventadas - A Infância, do poeta Manoel de Barros, uma fonte de inspiração, por traduzir muito da pesquisa recente sobre a infância, e como uma forma de homenageá-lo.

A construção das figuras e cenários deriva na maioria das vezes de fotografias. A partir de um arquivo pessoal, há uma mescla de recordações e situações imaginadas, fictícias, como camadas de subjetividades e tempos diversos.



"Sou hoje um caçador de achadouros da infância. Vou meio dementado e enxada às costas cavar no meu quintal vestígios dos meninos que fomos (...).''

Manoel de Barros (1916-2014), poeta brasileiro. Memórias Inventadas - A Infância.